Dez 26

Cristiano RonaldoEsta semana escolhi um tema, que é tão concordante na comunidade portuguesa, a eleição do melhor jogador do mundo. Todos nós sabemos que o 3º lugar seria destinado ao jogador Messi, e não para o nosso querido e melhor jogador português na actualidade, Cristiano Ronaldo. É importante dizer que esta eleição é feita por todos os treinadores e capitães de equipa, e mais importante ainda é que os treinadores têm 3 votos sendo estes com valores diferentes.
Na minha opinião o primeiro lugar é todo ele legitimado, um jogador que à imagem de Ronaldo levou a sua equipa ao colo para a conquista do maior título europeu. Kaka é um fora de serie, e o seu prestígio está espalhado por todos os continentes, por isso, é normal que ele tenha recebido mais de 1000 votos nesta eleição.
Por outro lado, e este o mais importante, o 2º lugar era muito mais legítimo ser entregue ao Cristiano Ronaldo, na medida em que este esteve presente nas mais importantes competições do mundo, para alem disso ele, se não foi o melhor, foi o mais importante impulsionador para a conquista da primeira liga inglesa, para além de que disputou as fases finais das competições europeias.
Por isso deixo aqui a minha insatisfação por esta votação, reconhecendo mais uma vez que o Cristiano Ronaldo seria merecedor do título de 2º melhor jogador do mundo.

Dez 26

Bola de FutebolLEI 2: A bola:

CARACTERÍSTICAS:

- Ela é esférica;
- É feita de couro ou de outro material equivalente;
- Tem uma circunferência de 64 cm no máximo e 62 cm no mínimo;
- Pesa no máximo 440 gramas e no mínimo 400 gramas no começo do jogo;
- A sua pressão situa-se entre 0,4 e 0,6 atmosferas (400-600 g/cm2).

Substituição de bola defeituosa

Se a bola rebenta ou se deforma no decurso do jogo:
- O jogo será interrompido;
- O jogo recomeça, com uma nova bola, por um lançamento de bola ao solo no local em que se encontrava a primeira bola no momento em que se deteriorou.
- Se a bola rebenta ou se deforma quando não está em jogo, antes da execução dum pontapé de saída, lançamento de baliza, pontapé de canto, pontapé-livre, pontapé de grande penalidade ou de um pontapé de linha lateral:
- O jogo recomeça em conformidade.

A bola só pode ser substituída durante o jogo com autorização do árbitro.

——————————————————————————–

Decisões
Decisão 1

Bolas de feltro não são permitidas em jogos internacionais.

Decisão 2

Quando largada de uma altura de 2 metros, a bola não poderá saltar mais de 65 cm, nem menos de 50 cm, quando do primeiro ressalto.

Permite-se a utilização de outro tipo de bolas (nº5, com menos ressalto, mais peso, etc). No entanto, em jogos internacionais só poderá ser utilizada a bola descrita na Lei.

Para os jogos das competições da FIFA e dos jogos de competição da responsabilidade de Confederações, só podem utilizar bolas que tenham sido submetidas a verificação e que cumpram o mínimo de requisitos especificados na Lei 2. A aprovação do uso de uma bola nas competições acima referidas dependerá que se mencione, para indicar que cumpre o mínimo de requisito técnicos:

Logotipo oficial “FIFA APPROVED”

Logotipo oficial “FIFA INSPECTED”

A referência “INTERNATIONAL MATCHBALL STANDARDS”

(Junto com outras indicações semelhantes de conformidade técnica, tal como o solicita a FIFA).

Em todos os demais jogos a bola deverá satisfazer as exigências da Lei 2. As Associações Nacionais ou algumas competições podem exigir a utilização de bolas munidas de umas das designações acima mencionadas.

Dez 23

Luis InacioO BENFICA despediu-se de 2007 com um jogo em casa frente ao Estrela da Amadora que bem pode espelhar aquilo que é o estado actual do CLUBE DA ÁGUIA! Uma primeira parte deplorável, horrível como disseram alguns comentadores da rádio e uma segunda completamente transfigurada para melhor onde acabou por ganhar (e bem) o jogo não deixando respirar a equipa adversária.
É este o BENFICA capaz do melhor e do pior. Um BENFICA que ganha ao Shaktar fora de forma quase “épica” e logo a seguir desilude com o Belenenses. Desejo que o BENFICA tenha em 2008 uma prestação mais positiva.

Mas este jogo teve uma particularidade interessante! Convidei os amigos Luís Inácio e Pedro Pato - meus colegas do PROLONGAMENTO que foram jantar à Catedral da Pedro PatoCerveja e respirar aquele ar maravilhoso que se sente na CATEDRAL DO FUTEBOL. O tempo não estava lá muito agradável mas parece-me que ficaram agradados. Sobretudo o Luís Inácio que esteve perto de uma daquelas Benfiquistas indefectíveis que não o deixou sossegado o tempo todo… É claro que o Luís Inácio foi nessa noite Benfiquista desde pequenino… Sobre espero que ele possa dizer mais alguma coisa aqui.

Podem ver AQUI algumas fotos do encontro…

(Valha-nos a derrota do Porto no Nacional da Madeira…)

Dez 18

Parte 1:

1ª ronda pelos comentadores / Sporting  vence o Marítimo, a camisola do Moutinho foi devolvida pelos adeptos/ Benfica perde com o Belenenses e é capaz do pior/ Porto vence o Guimarães apesar da boa atitude desta equipa.

Joao Pedro MendoncaParte 2: 

Conversa com João Pedro Mendonça, Editor de Desporto da RTP, um sportinguista bem disposto, excelente profissional.

Intervenção de Manuel Abreu.

Debate
 

Parte 3:

Notícias do Núcleo Sportinguista do Cartaxo.

Continuação da conversa com João Pedro Mendonça.

Debate

Parte 4:

Ronaldo e o 3º lugar nas escolhas da FIFA - uma injustiça!!!

Boas festas de todos os intervenientes. E até para o ano!!!!

Dez 17

LEI 1 – O TERRENO DE JOGO 

Superfície de jogo
Os jogos podem jogar-se em superfícies naturais ou artificiais, de acordo com o regulamento da competição.

Dimensões
O terreno de jogo deve ser rectangular. O comprimento das linhas laterais deve ser superior ao das linhas  e baliza. Comprimento: mínimo 90 m, máximo 120 m. Largura: mínimo 45 m, máximo 90 m.

Jogos internacionais
Comprimento: mínimo 100 m, máximo 110 m. Largura: mínimo 64 m, máximo 75 m.

Marcação do terreno
O terreno de jogo deve ser marcado com linhas. Estas linhas fazem parte integrante das áreas que delimitam. As duas linhas de marcação mais compridas denominam-se linhas laterais. As duas mais curtas chamam-se linhas de baliza. Todas as linhas têm uma largura máxima de 12 cm. O terreno de jogo é dividido em duas metades pela linha de meio campo. O ponto central é marcado ao meio da linha de meio campo, à volta do qual é traçado um círculo de 9,15 m de raio.

Área de baliza
Em cada topo do terreno é marcada uma área de baliza, da seguinte maneira:São traçadas duas linhas perpendiculares à linha de baliza, a 5,50 m do interior de cada poste da baliza. Essas duas linhas prolongam-se para dentro do terreno de jogo numa distância de 5,50 m e são unidas por uma linha traçada paralelamente à linha de baliza. O espaço delimitado por essas linhas e pela linha de baliza chama-se área de baliza.

Área de grande penalidade
Em cada topo do terreno é marcada uma área de grande penalidade, da seguinte maneira:São traçadas duas linhas perpendiculares à linha de baliza, a 16,5 m do interior de cada posta da baliza. Essas duas linhas prolongam-se para dentro do terreno de jogo numa distância de 16,5 m e são unidas por uma linha traçada paralelamente à linha de baliza. O espaço delimitado por essas linhas e pela linha de baliza chama-se área de grande penalidade. Em cada área de grande penalidade é feita uma marca para o pontapé de grande penalidade a 11 m do meio da linha que une os dois postes da baliza e equidistante desses postes. No exterior de cada área de grande penalidade é traçado um arco de círculo de 9,15 m de raio, tendo por centro a marca de grande penalidade.

As bandeiras
Em cada canto do terreno deve ser colocado um poste não pontiagudo com uma bandeira. A altura mínima do poste será de 1,50 m. Bandeiras semelhantes podem igualmente ser colocadas em cada extremidade da linha de meio campo, pelo menos a 1 metro da linha lateral, no exterior do terreno de jogo.

Área de canto
De cada bandeira de canto é traçado um quarto de círculo com um raio de 1 m no interior do terreno de jogo.

As balizas
As balizas são colocadas no centro de cada linha de baliza. Elas são constituídas por dois postes verticais colocados a igual distância das bandeiras de canto unidos ao alto por uma barra transversal. A distância entre os dois postes é de 7,32 m e o bordo inferior da barra transversal situa-se a 2,44 m do solo. Os dois postes e a barra devem ter a mesma largura e espessura, que não devem exceder 12 cm. A linha de baliza deve ter a mesma largura que os postes e a barra transversal. Poderão ser aplicadas redes às balizas e ao solo por trás da baliza, com a condição de serem convenientemente colocadas de maneira a não prejudicar o guarda-redes. Os postes da baliza e a barra transversal devem ser de cor branca. 

Segurança
As balizas devem ser fixadas ao solo de maneira segura. Poderão ser utilizadas balizas móveis desde que satisfaçam esta exigência.

Decisões do International F. A. Board

Decisão 1 - Se a barra transversal se deslocar ou partir, o jogo deve ser suspenso até que ela seja reparada ou reposta no lugar. Se a reparação for impossível, o jogo deve ser dado por terminado. A utilização duma corda em substituição da barra transversal não é permitida. Se a barra for reparada, o jogo deverá recomeçar com um lançamento de bola ao solo no local em que a bola se encontrava no momento da interrupção.

Decisão 2 - Os postes das balizas e as barras transversais devem ser de madeira, de metal ou de outro material aprovado. A sua forma pode ser quadrada, rectangular, circular ou elíptica e não deve constituir perigo para os jogadores. 

Decisão 3 - Qualquer espécie de publicidade comercial real ou virtual é proibida sobre o terreno de jogo e sobre os acessórios do terreno (incluindo as redes das balizas e as áreas no solo por elas delimitadas), e isso desde o momento em que as equipas entram no terreno até que saiam ao intervalo, e desde o seu regresso ao terreno até ao fim do encontro. Em particular é proibido colocar qualquer material publicitário nas balizas, redes e nas bandeiras ou sua haste. Material estranho ao futebol (câmaras, microfones) não pode ser fixado nestes acessórios. 

Decisão 4 - É proibida qualquer espécie de publicidade na área técnica ou a menos de um metro da linha lateral, no solo, no exterior do terreno de jogo. Por outro lado, não é autorizada qualquer forma de publicidade na área compreendida entre a linha de baliza e as redes da baliza.

Decisão 5 - A reprodução, real ou virtual, dos logotipos da FIFA, das Confederações, Associações Nacionais, Ligas, Clubes ou outras associações são proibidas sobre o terreno de jogo ou sobre os acessórios do terreno (incluindo as redes das balizas e as áreas no solo por elas delimitadas) durante toda a duração do jogo tal como se descreve na decisão 3.

Decisão 6 - Pode traçar-se uma marca no exterior do terreno de jogo, a 9,15 m do arco de círculo de canto, perpendicularmente à linha de baliza, para materializar a distância a observar pelo adversário, quando da execução dum pontapé de canto. 

Decisão 7 - Quando forem utilizadas superfícies artificiais nos jogos de competição entre selecções nacionais das federações membros da FIFA ou em jogos de competições internacionais de clubes, as superfícies devem corresponder às exigências do Conceito de Qualidade da FIFA para Relvado Artificial ou do Padrão Internacional de Relvado Artificial, salvo derrogações excepcionais que possam ser concedidaspela FIFA.

Decisão 8 - A área técnica deve corresponder às normas aprovadas pelo International F.A. Board que constam do presente livro das Leis do Jogo.

Dez 17

Parte 1:

1ª ronda pelos comentadores / Análise do PORTO - apuramento para os oitavos de final da Champions / PORTO vence em CHAVES / SPORTING vence o LOULETANO - pontapé na crise? / BENFICA vence a ACADÉMICA.

Parte 2: 

Conversa com Prof. Abel Santos, Director da Escola Superior de Desporto de Rio Maior.

Parte 3:

Conversa do Painel residente com o convidado Prof. Abel Santos.

Parte 4:

A opinião de Manuel Abreu.

Discussão sobre a aprendizagem empírica e académica nos meios do futebol.

Parte 5:  

Manuel Abreu, antigo árbitro, fala sobre a Lei 1 dos Regulamentos do Futebol.

Fim de conversa com o Prof. Abel Santos. 

Dez 14

Sporting_BenficaRecentemente chegaram a publico algumas declarações de antigos profissionais do Sporting e do Benfica que me merecem um comentário de reprovação. Obviamente estou a falar de Carlos Martins e Zé Veiga. Tanto um como outro foram profissionais que foram pagos pelos respectivos clubes para desempenhar tarefas, um de jogador, outro de director do futebol – falando português curto e grosso… Se bem me parece, nem um clube nem outro lhes ficaram a dever nada. Receberam os seus salários e prémios devidos e, quando ambas as partes dessa relação contratual livre entenderam, puseram fim às suas ligações de forma tranquila. Ou pelo menos legalmente tranquila e sem grandes polémicas.

Feita esta introdução, é caso para perguntar, a razão ela qual, passado este tempo todo, vêm agora estes senhores tentar mexer em factos, ou melhor, pseudo-factos, que fazem parte de um passado enterrado? Não consigo imaginar outra palavra para estas intervenções infelizes que não seja OPORTUNISMO.

Por lado, Zé Veiga deve querer projectar-se para níveis de publicidade e mediatismo que já não consegue encontrar de outra forma. Há quem diga, e eu concordo, que pretende ver se o seu livro lhe rende alguns milhares. A técnica de marketing usada é que não é a mais justa. E por muito que o marketing tenha de ser agressivo e incisivo, parece-me que o resultado não será mais do que uma simples tempestade, mas num copo de água… Alguém revê alguma credibilidade no Zé Veiga para agora vir “sentenciar” sobre o Benfica? Parece-me, em bom juízo, que não! Oportunismo é o que é!

Por outro lado, Carlos Martins, que parece que atravessa uma curta fase (pelo menos para já) de algum sucesso profissional, vem tentar agora justificar o injustificável. Mas alguém acredita que Paulo Bento ou o Sporting o impediram de jogar na Selecção? Alguém acredita que não teve todas as oportunidades que quis, ou pelo menos as normais, no Sporting? A verdade é que Carlos Martins, por muito jogador que seja, foi sempre muito irregular! Capaz do melhor e do pior… E mais não digo!

Tanto num caso como noutro, reconheço toda a legitimidade a estes senhores para escreverem um livro, darem entrevistas. Reconheço-lhes a vontade de puderem escrever textos biográficos. Agora pretenderem destabilizar o trabalho dos que ainda estão no activo, nos seus antigos clubes, daqueles que em tempos lhes deram as mãos e os projectaram para os patamares onde hoje se encontram, é que não! Nem pensar! O que seria do Veiga se o Benfica o tivesse abandonado quando lhe puseram os móveis à porta? O Presidente Vieira não o defendeu publicamente? E agora isto? O que seria do Carlos Martins se tivesse sido relegado para uma equipa qualquer satélite do Sporting em vez de ficar na equipa principal? Ele que até tinha um bom relacionamento com os adeptos verdes…

Se calhar aqui sim, é de usar a expressão que colocaram aqui há dias na boca de um ilustre benfiquista: “cuspir no prato”…

Dez 12

Parte 1:

1ª ronda pelos comentadores / Análise do BENFICA - apuramento para a Taça UEFA / PORTO perde com o Liverpool / Livro do Zé Veiga em discussão / PORTO vence BENFICA / SPORTING cede pontos de novo- crise?

Parte 2: 

 Manuel Abreu, Delegado da Liga em funções, vem substituir Augsuto Lourenço e conversa com o painel.

Parte 3:

Entrevista com HUGO SACRAMENTO - Presidente da Assembleia Geral do TERRA CLUBE VILA CHÃ DE OURIQUE

ANTÓNIO GASPAR, Presidente da Assembleia Geral do Ateneu Artístco Cartaxense apresenta plano de actividades para 2008.

Algumas incursões pelo APITO DOURADO e Justiça Desportiva….

Um final de conversa sobre a utlima jornada da Liga!

Mais alguns temas da actualidade futebolística, o apuramento da Selecção para o EURO’2008

Dez 06

Benfica_ShakhtarÉ com muita alegria que ainda estou a digerir a espantosa vitória do BENFICA frente ao Shakhtar, na última jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

Este jogo era a derradeira oportunidade para o BENFICA se conservar disponível para as grandes noites europeias.

Depois de uma boa exibição com o Milão, a equipa descarrilou por completo com o Porto e a acrescer a este estado de desânimo interno, foi preciso lutar contra muito frio e uma casa difícil onde mora um adversário que tem qualidade.

Mas, a verdade é que o BENFICA foi ferido no seu ORGULHO para a Ucrânia e quem “pagou” (para utilizar um chavão da bola) foi o Shakhtar! O BENFICA entrou muito bem no jogo e CARDOZO aproveitou cedo um brinde para abrir a contagem! Mais tarde, sem ofertas e com muita classe, o inspirado CARDOZO marcou de novo. O Shakhtar reduziu para 1-2 por grande penalidade de DAVID LUIZ que me deixou muitas dúvidas. Nem a repetição é esclarecedora. Fica na ideia que houve muito teatro por parte do Lucareli… No fim da minha primeira parte e a (poucos) espaços da segunda, os ucranianos ainda ameaçaram com perigo a baliza de QUIM mas a noite era do BENFICA! Um BENFICA cheio de garra, de RAÇA e que nos deixa muito felizes. A todos, pois eu sei que todos os portugueses estavam a “torcer” como nós os BENFIQUISTAS!

E ver este QUERER, esta VONTADE em campo, deixando-me feliz, faz-me pensar na frustração que foi ver o BENFICA falhar tanto com o Porto (ainda não esqueci…) Porquê? Alguém me explica? E não me venham dizer que o Porto é superior ao BENFICA porque aqui tão somente me interessa a atitude em campo que foi oposta!

Depois desta vitória, alguns “brincalhões” para não lhes chamar outros nomes, vão ter que engolir em seco e virar costas. Já tinham enterrado o BENFICA, já lhe tinha até rezado a missa de 7º dia! Afinal a ÁGUIA renasceu! Ainda está de saúde e, se a ATITUDE for esta no futuro, não tenho dúvidas que voos mais altos nos esperam! Assim o espero! O próprio treinador do Shakhtar, Mircea Lucescu, já disse algo parecido: “Com este espírito, o Benfica pode chegar à final da Taça UEFA”.  Para terminar, uma palavra de incentivo para o BRAGA que joga esta quinta-feira, vamos lá amealhar pontos para PORTUGAL!

Dez 03

Benfica0 Porto1No último programa PROLONGAMENTO em que foi convidado o ex-ciclista e actual comentador desportivo MARCO CHAGAS (podem ouvir a entrevista AQUI) uma frase ficou registada no meu ouvido, dita precisamente por este membro da Comissão de Honra do Centenário do Sporting Clube de Portugal: 

“O Porto vai-se passear pelo campeonato e vai conquistá-lo, o BENFICA não chega ao primeiro lugar e parece ter o segundo garantido e o Sporting não tem mais que lutar pelo terceiro lugar uma vez que não temos equipa para mais…” 

Isto dito pelo Marco Chagas, assim “sem espinhas”, causou-me alguma perplexidade e tive oportunidade de lhe referir aquilo que uma amiga minha costuma dizer: “Atenção que a procissão ainda vai no adro…” Só que depois desta 12º Jornada o que temos nós? O Porto vai à LUZ e em jeito de passeio vem de lá com três pontos oferecidos. O BENFICA não jogou lá grande coisa… O Sporting recebe o lanterna vermelha, e cede mais dois pontos! Será que o Marco afinal tem razão?

 Tive oportunidade de ir à CATEDRAL e assistir a uma enchente naquele maravilhoso recinto que até permitiu uma coreografia espectacular patrocinada por uma marca de cerveja. Foi lindo! Este adjectivo só serve mesmo para a coreografia porque quanto ao resto foi mais do tipo frustrante! Acho que é a palavra ideal! Ninguém põe em causa a valia da equipa adversária, contudo, frustrante, muito frustrante direi melhor, foi ver as ofertas que o BENFICA deu ao Porto, sobretudo na primeira parte! LUIS FILIPE à cabeça dos mais “coxos” seguido por um KATSOURANIS irreconhecível. PEREIRA em noite não assim como RUI COSTA, bem marcado! QUIM, LEO e NUNO GOMES ainda escaparam e merecem um aplauso… Não tenho números oficiais, mas uma grande parte dos lances de ataque do Porto resultaram de passes falhados ou percas de bola “infantis” por parte dos VERMELHOS que deveriam ter sido GLORIOSOS. O BENFICA perdeu por completo o meio do campo e parecia uma faca a cortar manteiga, a forma como o PORTO passava da defesa para o ataque. O lance do golo é disso exemplo – golo que é muito bem marcado pelo Quaresma. A segunda parte começou como na primeira com o BENFICA a entrar em grande, só que essa entrada só durou dois ou três minutos… Muito pouco para quem tinha feito uma exibição daquelas com o Milão! Muito pouco! 

O Sporting parece estar a atravessar uma fase negativa e, se calhar, os adeptos vão ter que começar a por de lado o deslumbramento, sustentado por Filipe Soares Franco, que os faz pensar que têm “um Mourinho” barato em Alvalade! Sem desprimor para o técnico que pôs alguma ordem nas “hostes” leoninas, sem duvidar das suas capacidades, a verdade é que já se ouvem muito bem os assobios. Perder com o último classificado nesta altura do campeonato e nas circunstâncias que o clube atravessa onde Paulo Bento já disse que não havia margem para errar, já deve dar para falar de crise, não? A última vez que ouvi um treinador a dizer que não havia margem para errar, pouco depois saía do Braga, lembram-se quem foi, não preciso de dizer o nome desse antigo jogador portista! 12 pontos para o Porto já dói! Aposto que esta semana vai dar muito que falar para os lados de Alvalade. A UEFA não pode sustentar e, sobretudo, justificar tudo! Feitas as contas, pelo menos por enquanto, o Marco Chagas tem razão! Espero sinceramente que a sua teoria não tenha sucesso, deixa lá ver se no Ano Novo de 2008, o Porto oferece umas prendas à malta, como o ano passado… Se for antes melhor!